sábado, 23 de junho de 2012

O Oleiro e a Argila

(Para Afrânio)


A argila toma forma

nas mãos do hábil oleiro

cuja obra se consuma

em êxtase e devaneios.

A escultura não nasce pronta

sequer conhece o obreiro

que a conduz por caminhos

em gentis passos certeiros.

Perfeitas curvas vão surgindo

por entre movimentos e apelos

e o barro vai se abrindo

a cada toque de dedos.

Terminada a obra prima

o artesão então se afasta

sua satisfação se finda

quando começa a da amada.



Cristina Ferber